Pular para o conteúdo
Insights > Digital e tecnologia

Mudando a forma como vemos o potencial de receita da publicidade móvel

Leitura de 3 minutos | Maio 2010

Roger Entner, Vice-Presidente Sênior, Pesquisa e Insights, Prática de Telecom

Como a publicidade, a Internet e os mundos móveis convergem rapidamente, precisamos mudar a forma como olhamos para essas várias indústrias e as métricas que usamos para descrever o negócio potencial. O essencial é uma mentalidade diferente e unificada de como avaliar a oportunidade e comparar os vários componentes do fluxo de valores do cliente.

Os gigantes do mundo da computação e da Internet deram à ecosfera da publicidade móvel a legitimidade que buscava através das aquisições da Admob pelo Google e da Quattro Wireless pela Apple, e do lançamento subseqüente do iAd. Agora, precisamos de um melhor entendimento das oportunidades de receita.

Avaliações puras ou mesmo números de receitas fornecem apenas uma visão limitada sobre o verdadeiro desempenho de uma empresa. No mundo móvel, ARPU ou receita média por usuário, é uma métrica comumente usada para comparar as várias oportunidades de receita, independentemente do tamanho da operadora subjacente.

O ARPU é calculado dividindo as receitas trimestrais por três para obter receitas mensais e depois dividindo as receitas mensais pelo número de assinantes ou usuários únicos.

Q1 2010 AT&T Mobilidade Verizon Wireless Google
Receitas totais $13.9b $13.4b $6.67b
Receitas de dados / Sites de propriedade do Google Receitas $4.1b $4.5b $4.44b
Assinantes/usuários únicos 86.9m 87.8m 156m
ARPU por mês $15.73 $17.06 $9.40
Fonte: Os cálculos da Nielsen Company com base nas informações da empresa

Utilizamos as receitas do site de propriedade do Google porque podemos determinar uma contagem única de usuários, o que não podemos fazer pela fonte da grande maioria das receitas restantes do AdSense.

Agora todos concordam que o celular é pelo menos tão atraente quanto uma plataforma publicitária quanto a Internet. Seu celular está sempre com você, é mais pessoal do que qualquer outro dispositivo e tem a capacidade de integrar localização e imediatismo. Além disso, a publicidade móvel está se tornando menos prejudicada pelas limitações do dispositivo em termos de tamanho da tela e velocidade da rede e a diferença entre a Internet e a experiência móvel está se tornando cada vez menor. Ao mesmo tempo, estamos no início da publicidade baseada em localização, cupons ou mesmo coisas simples como deixar cair um voicemail previamente optado em nossa caixa postal.

Isto nos leva de volta à publicidade móvel. Se o celular é tão bom ou melhor que a Internet como um veículo publicitário, ele também é capaz de monetizá-lo pelo menos igualmente bem. O Google recebe US$ 9,40 por mês por usuário único em receitas de publicidade para usuários da Internet. Eles devem ser capazes de obter pelo menos o mesmo por mês para um cliente móvel que usa o aparelho por mais tempo, com mais freqüência, mais intensamente e mais pessoalmente do que o computador e a Internet. Se pegarmos US$ 9,40 e o multiplicarmos por 280 milhões de assinantes wireless nos EUA, o potencial do mercado de publicidade móvel é superior a US$ 2,5 bilhões por mês ou mais de US$ 30 bilhões por ano. Pense em pelo menos 30 bilhões de razões pelas quais o Google quer comprar a AdMob por $750 milhões, pelo menos 30 bilhões de razões pelas quais a Apple comprou a Quattro Wireless por $360 milhões, e pelo menos 30 bilhões de razões pelas quais outros vão querer participar neste espaço - e isto é apenas 30 bilhões de razões pelas quais fazê-lo nos EUA, não esqueçamos da Europa, Ásia, América Latina, África e Austrália.

Este artigo também aparece na Fierce Wireless