Pular para o conteúdo
Insights > Esportes e jogos

Obtendo a Appy: Como os Artistas usam aplicativos de música para engajar os fãs

Leitura de 5 minutos | Novembro de 2013

Em um mundo digital em que toda a indústria do entretenimento está se misturando para se envolver com os fãs, a aplicação musical está vindo em socorro. Não há uma bala de prata ou um plano para garantir o sucesso no reino do aplicativo, e é por isso que a compreensão de como usá-los eficazmente é tão crítica. E para isso, temos visto algumas abordagens únicas quando se trata de como os artistas estão se apropriando da aplicação.

Desenvolver um aplicativo normalmente requer muito planejamento e uma abundância de conteúdo convincente. Mas, além desses parâmetros gerais, as possibilidades são infinitas. Em uma ponta do espectro, você tem aplicativos artísticos personalizados como Artpop (lançado na semana passada pela Lady Gaga), enquanto outros nos permitem transmitir nossas músicas favoritas em movimento.

ARTISTA APPS

No início deste ano na SXSW, relatamos que artistas e gravadoras podem aumentar seus fluxos de receita oferecendo aos fãs acesso a conteúdo exclusivo. E os aplicativos são uma ótima maneira de fazer isso, bem como de impulsionar o engajamento geral. Um aplicativo como o de Lady Gaga, por exemplo, não só dá a seus Monstrinhos acesso a conteúdo interessante, mas também mantém a artista na vanguarda da mente de seus fãs. O aplicativo do álbum Gaga permite aos fãs ouvir o álbum Artpop (se você já o comprou), criar gifs animados, acessar letras de músicas, ver uma contagem regressiva para conteúdo adicional e brincar com uma série de outros recursos interessantes.

A Artpop vendeu mais de 250.000 unidades na primeira semana, e dois solteiros se tornaram rapidamente favoritos: os fãs baixaram "Aplausos" mais de 1,7 milhões de vezes até hoje, e o recente single "Do What U Want" está ganhando força, tendo sido baixado 230.000 vezes até hoje. Também vimos um fluxo muito ativo com "Aplausos" mais de 46 milhões de fluxos até o momento e "Faça o que U quer" com 48 milhões de fluxos até o momento.

Os fãs podem estar ficando gagá sobre o Artpop, mas ela certamente não é a primeira a tentar capitalizar sobre as aplicações. Antes do lançamento da Biofilia no final de 2011, a Bjork lançou um aplicativo para preparar os fãs para o grande lançamento. Embora o aplicativo não tenha incluído a música no álbum até depois que o disco foi lançado, ele conseguiu dar um pontapé de saída para o início de um grande compromisso. O artista islandês, que vendeu mais de 4 milhões de discos nas últimas duas décadas, incluiu jogos, uma canção interativa "universo", letras de músicas e ilustrações de composição de partituras no aplicativo. O álbum Biophilia vendeu 14.000 unidades em sua primeira semana, 300 por cento mais do que seu álbum anterior Voltaic vendido em sua primeira semana quando foi lançado em 2009.

Jay-Z também se dedicou ao digital. Um ano antes de lançar sua Carta Magna... Lançamento do Santo Graal, ele lançou um aplicativo para preparar todos os preparativos para ela. O aplicativo exclusivo do Samsung- continha letras de músicas, bem como recursos interativos e conteúdo exclusivo. Os usuários puderam então fazer o download do álbum três dias antes de ele chegar às lojas. Mesmo com o freebie, o álbum vendeu 528.000 unidades durante a primeira semana em que foi à venda. Na verdade, teve uma primeira semana mais forte do que o lançamento anterior do artista, o Blueprint 3, que teve 475.000 vendas na semana de estréia.

The XX's Coexist foi o álbum do segundo álbum do grupo indie pop inglês. Lançado como um aplicativo em 2012, deu aos fãs acesso a vídeos exclusivos em HD, letras, datas de turnês, um visualizador de arte do álbum para cada faixa e, finalmente, mensagens diretas da banda. Quando o álbum Coexist foi lançado, ele conseguiu vendas na primeira semana de vendas de mais de 73.000 unidades. Até o momento, o álbum já vendeu 268.000 unidades.

APOSTOS CRIATIVOS

Levando a tecnologia a novas alturas, vários artistas colocaram suas próprias reviravoltas inventivas em suas aplicações. A banda indie nova-iorquina Shinobi Ninja desenvolveu e lançou um jogo em 2010 que desbloqueou novas faixas musicais à medida que os jogadores avançavam nos níveis de arcade, permitindo que os fãs tocassem seu caminho através de um EP de música. Em 2013, o Matchbox Twenty foi em turnê e utilizou a geofencing em seu aplicativo, uma tecnologia que lhes permitiu ver onde outros usuários estão dentro do local. O aplicativo MB20 também inclui o feed do Twitter da banda, fotos exclusivas de reunião e saudação e datas da turnê - tudo na palma das mãos dos fãs.

APLICAÇÕES MUSICAIS E SEUS USUÁRIOS

A escuta móvel continua a evoluir junto com a tecnologia, e descobrimos que os streamers estão ansiosos por aplicativos e sites móveis. As pessoas que ouvem streaming on-demand têm 44% mais probabilidade de baixar aplicativos em seus tablets do que o usuário médio da Internet*.

Quando se trata de gênero, os usuários de aplicativos móveis de música e de sites são divididos igualmente a partir de agosto de 2013, um nivelamento que se tornou mais aparente em relação a 2012, onde a divisão homem/mulher foi de 47%/53% e 46%/54% em 2011. Enquanto esta diferença de gênero está diminuindo, os homens continuam a ouvir com mais freqüência nestas plataformas e esta tendência parece estar aumentando - os homens tendem a ter aproximadamente 18 sessões por mês enquanto as mulheres têm mais perto de 15.

Embora provavelmente não seja surpreendente que os fãs mais jovens constituam um grande número desses usuários, a faixa etária de 55-64 anos se destaca com a maior porcentagem de composição de audiência, de quase 16%. Enquanto isso, o maior grupo étnico que se manifesta é o branco (69%), seguido por negros/afro-americanos (15%), e depois asiáticos/ilhas do Pacífico (6%). Quando olhamos para o uso do sistema operacional para estes usuários de aplicativos e sites móveis de música, os usuários Android levam o bolo - aproximadamente 62% são usuários Android enquanto 38% são usuários iOS.

À medida que os dispositivos móveis se tornam mais sofisticados e que os consumidores se tornam mais conhecedores da tecnologia, há um claro impacto no consumo de música e, portanto, na indústria musical. Somente a partir destes exemplos, podemos ver o potencial para que artistas e gravadoras utilizem aplicativos como uma ferramenta para excitar os fãs, gerar conscientização, aumentar o engajamento e talvez até mesmo resultar em um aumento do consumo geral.

*Como lembrado nos últimos 30 dias.