Pular para o conteúdo
Insights > Mercados e finanças

Líder suíço na comparação da velocidade das conexões globais de Internet

2 minutos de leitura | Abril 2011

Os dias de acesso discado à Internet (velocidades de até 128Kb) são contados à medida que os consumidores de todo o mundo optam pelas conexões rápidas e até super-rápidas à Internet agora disponíveis. A Nielsen Company mediu e comparou recentemente as velocidades de conexão em computadores domésticos durante fevereiro de 2011 em nove países e analisou se a velocidade afeta a quantidade de tempo que os consumidores passam on-line. As velocidades de conexão foram divididas em quatro grupos: 'lenta' (até 512Kb), 'média' (512Kb - 2Mb), 'rápida' (2Mb - 8Mb) e 'super-rápida' (8Mb+).

Em todos os nove países medidos, com exceção de um, "rápido" é agora a velocidade de conexão mais comum e apenas uma pequena porcentagem de pessoas está em velocidades "lentas". Em média, nos nove países, 19% dos usuários de Internet se conectam a velocidades "super-rápidas", 47% a velocidades "rápidas", 26% a velocidades "médias" e 8% estão em velocidades "lentas". Somente o Brasil contradiz esta tendência com quase metade (48%) dos usuários domésticos de Internet em velocidades de conexão 'médias' e quase um terço (31%) em velocidades 'lentas'.

A Suíça tem, de longe, a população conectada mais rapidamente, com 88 por cento dos consumidores on-line em casa conectando-se a velocidades superiores a 2Mb - e 38% tendo uma conexão 'super-rápida' de 8Mb+. Depois da Suíça, os EUA (29%) e a Alemanha (27%) têm a maior concentração de pessoas em conexões 'super-rápidas'. De fato, todos os três países têm agora mais pessoas conectando a velocidades "super-rápidas" do que a velocidades "médias" (512Kb a 2Mb). Comparado ao extremo oposto do espectro, o Brasil tem 8 vezes mais usuários de Internet em velocidades 'médias' (48%) do que em velocidades 'super-rápidas' (6%).

Audiência ativa da Internet por velocidade de conexão

Então como a velocidade da conexão afeta quanto tempo as pessoas passam on-line - velocidades mais altas significam maior eficiência, portanto, menos tempo on-line ou a experiência de maior qualidade incentiva maior atividade? A resposta - não há um padrão único em todos os países medidos; entretanto, aqueles com velocidades mais lentas tendem a passar o menor tempo online em casa. Somente a França e a Alemanha negam a tendência entre os nove países medidos, e em seis dos nove países os consumidores que utilizam conexões "rápidas" (2Mb-8Mb) passam o maior tempo online.

A Suíça mostra o padrão mais linear - quanto mais rápida a velocidade, mais tempo gasto on-line - já que as pessoas que utilizam uma conexão 'super-rápida' (21 horas, 20 minutos) passam duas vezes mais tempo on-line do que as pessoas que utilizam uma conexão 'lenta' (10 horas, 1 minuto). A Itália é o único outro país que segue este padrão linear, mas as diferenças de tempo são muito menos perceptíveis.

Na verdade, para todos os países, exceto a Suíça, as diferenças absolutas no tempo entre as diferentes velocidades geralmente não são tão grandes. Somente na Austrália, Reino Unido e Espanha vemos diferenças notáveis entre aqueles que passam menos tempo online a partir de computadores domésticos (pessoas em conexões "lentas") e aqueles que passam mais tempo (os conectores "rápidos").

Tempo de Internet por velocidade de conexão