Pular para o conteúdo
Percepções > Audiências

Alcançando as mulheres negras através das plataformas de mídia

Leitura de 3 minutos | Dezembro 2017

Para as marqueteiras que procuram alcançar as mulheres afro-americanas, campanhas integradas - incluindo não apenas plataformas tradicionais como televisão e rádio, mas também digitais e sociais - são de suma importância. Com uma combinação de proeza digital, habilidade social e consumo voraz de mídia, as mulheres negras têm hábitos e preferências de mídia muito singulares.

PROPRIEDADE DA TECNOLOGIA MÓVEL

As mulheres negras parecem estar sempre conectadas. Oitenta por cento das mulheres negras possuem smartphones, uma taxa 8% maior do que as mulheres brancas não hispânicas. E 57% possuem um tablet, que está um pouco no mesmo nível das mulheres brancas não hispânicas. A alta propriedade da tecnologia móvel pelas mulheres negras lhes dá acesso a uma infinidade de aplicativos e sites (incluindo redes sociais) e é um fator chave na forma como seu tempo é gasto consumindo mídia. Por exemplo, o Facebook (72%) é o principal site de redes sociais utilizado pelas mulheres negras. YouTube, Instagram, Twitter e Google+ também são sites visitados com mais freqüência por mulheres negras do que por suas homólogas brancas não hispânicas.  

CONSUMO VORAZ ATRAVÉS DE PLATAFORMAS

Quando se trata de assistir televisão ao vivo e DVR/TV, as mulheres negras passam quase 15 horas a mais por semana nessas plataformas (51 horas e 36 minutos) do que o total de mulheres nos Estados Unidos (36 horas e 38 minutos). Além disso, devido em parte à sua alta propriedade de smartphone, as mulheres negras gastam mais tempo semanal usando aplicativos e navegando na web em smartphones (19 horas e 27 minutos) do que o total de mulheres (17 horas e oito minutos). E as mulheres negras de todas as idades também têm aumentado o consumo de outras plataformas digitais, incluindo internet em um PC, vídeo em um PC, dispositivos multimídia e vídeo em um smartphone.

O RÁDIO OFERECE ALCANCE DOMINANTE

Além de seu alto tempo semanal gasto em plataformas digitais e assistindo televisão, o rádio é um meio incrivelmente eficaz para alcançar as mulheres negras. Na verdade, 92% das mulheres negras ouvem rádio semanalmente, enquanto 90% assistem televisão. Além disso, as mulheres Negras passam mais tempo semanal ouvindo rádio (14 horas e 7 minutos) do que as mulheres Brancas não-Hispânicas (11 horas e 55 minutos). Dando uma olhada nos formatos de estação por idade, as mulheres Black Millennial (18-34) têm maior probabilidade de ouvir o gênero de rádio Urban Contemporary, atingindo 58% dessa população. Enquanto isso, o gênero Urban Contemporary Adult Contemporary atinge 51% das mulheres Negras que têm mais de 18 anos.

Mais importante para os anunciantes, as mulheres negras dizem que são receptivas à publicidade na rádio. Trinta e oito por cento das mulheres negras concordam que a publicidade no rádio lhes fornece informações úteis sobre barganhas (20% maior do que as mulheres brancas não hispânicas), e 38% também concordam que o rádio lhes fornece informações sobre novos produtos e serviços (16% maior do que as mulheres brancas não hispânicas).

O CONSUMO VARIA DE ACORDO COM A IDADE

Embora existam tendências de consumo na mídia que podem ser encontradas entre todas as mulheres negras adultas, esses hábitos de consumo muitas vezes variam de acordo com a faixa etária, o que é útil para a segmentação das campanhas.

As mulheres Black Millennial (18-34) gastam mais tempo semanal do que suas colegas mais velhas em dispositivos multimídia e consoles de jogos. As mulheres negras com 65 anos ou mais passam mais tempo semanal vendo televisão (quase 80 horas) e menos tempo usando dispositivos multimídia, a internet em PCs e consoles de jogos do que suas colegas mais jovens. A compreensão dessas diferenças de consumo de mídia e preferências de dispositivos pode ser essencial na concepção de campanhas eficazes.

Para mais informações, baixe Nielsen's African-American Women: Nossa Ciência, Seu Relatório Mágico.

br